Estágio Supervisionado em Ciências Sociais I (2S2020)

Instituição: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Curso: Graduação em Ciências Sociais.
Ano letivo: 2020.
Período: 1º.
Disciplina: HZ103-A/B – Estágio Supervisionado em Ciências Sociais I.
Aulas online: Quarta-feira das 10h às 12h (Turma A); e das 19h às 21h (Turma B).
Carga horária total: 120h.
Créditos: 8.
Monitoria: A definir.

ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES
A prática da docência foi, e ainda está sendo, obrigada a se reconfigurar diante da suspensão de atividades educacionais presenciais – suspensão esta devida tanto à pandemia da Covid-19, quanto à catastrófica reação política e social a ela na maior parte do Brasil.

Por um lado, a suspensão de atividades presenciais se impõe por razões sanitárias, e se estende por direta consequência de políticas públicas genocidas. Por outro lado, a manutenção do calendário escolar se impõe por razões políticas, econômicas e culturais igualmente genocidas. A solução generalizada para este impasse infelizmente tem sido o ensino remoto, online, por meio da Internet, via de regra por meio de ferramentas da empresa norte-americana Google.

Esta disciplina buscará oferecer algum apoio aes estudantes que precisam realizar seus estágios supervisionados para se formarem e sobreviverem neste contexto. Para cumprirem plenamente as exigências da disciplina, e serem aprovados com conceito “S” (suficiente), es estudantes precisarão:

1 – Realizar o estágio: isso será realizado pelo envolvimento des estudantes nas atividades online atualmente sendo desenvolvidas nas escolas. A realização deste estágio deverá ser registrada no SAE, e na forma de relatório.
2 – Realizar, e relatar, de maneira satisfatória, 5 ou mais atividades assíncronas online: cada estudante deverá realizar, no mínimo, 5 atividades, dentre as 20 listadas abaixo (ver seção: ATIVIDADES), e enviar ao docente um breve relato de cada uma delas. A realização das atividades precisa ser considerada satisfatória pelo docente, para valer como cumprida.

Serão realizados encontros semanais síncronos livres com a turma, em plataforma a ser divulgada via email institucional, nos dias-horários oficiais da disciplina. A participação nesses encontros não será obrigatória, mas sim livre. Tais encontros não terão formato expositivo, e sim dialógico, e servirão para o debate e a troca de experiências apenas entre es estudantes presentes (por isso, não serão registrados).

Toda a comunicação relativa à disciplina ocorrerá via email institucional e pela página oficial da disciplina na plataforma Moodle.

IMPORTANTE: Esta disciplina leva plenamente em consideração o contexto excepcional em que estamos, e se propõe a apoiar estudantes em dificuldade, no que se refere a exigências e prazos.

PROGRAMA
Esta disciplina buscará complementar as experiências singulares de estágio des estudantes, com reflexões sobre nosso novo contexto de ensino empresarial e ultraneoliberal, em especial sobre os usos educacionais da Internet. Serão disponibilizados conteúdos (textos, vídeos e podcasts) para o estudo remoto. As aulas semanais consistirão em encontros livres para a interlocução sobre as atividades em curso, e para o esclarecimento de dúvidas.

Todes es estudantes matriculados deverão participar de atividades educacionais online ao longo do semestre – tanto por conta da própria disciplina, quanto por conta do estágio. Toda a comunicação relativa à disciplina será realizada via Moodle.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO
Segundo o Catálogo dos Cursos de Graduação, esta disciplina tem carga horária de 120 horas semestrais, sendo 30 horas em sala de aula na Unicamp, e 90 horas em atividades de estágio em escola. No contexto excepcional do segundo semestre de 2020, esta carga horária será distribuída da seguinte forma:

  • 30 horas em atividades assíncronas online: realização de 5 a 10 atividades, dentre as 20 listadas abaixo (Ver ATIVIDADES, abaixo).
  • 90 horas em atividades online de estágio: estas atividades poderão ser síncronas e/ou assíncronas, a depender do planejamento do/a professor/a supervisor/a da escola, em cuja classe o estágio está sendo realizado.

Para além desta carga horária obrigatória que tode estudante deve cumprir, o docente estará disponível para interlocução coletiva online (debates e dúvidas), nos dias-horários oficiais da disciplina, em sala virtual divulgada apenas via Moodle.

Em síntese: com exceção do estágio (que pode envolver atividades síncronas), todas as atividades oficiais desta disciplina serão assíncronas. Os encontros semanais síncronos, no dia-horário da disciplina, serão livres, não haverá cobrança de presença.

AVALIAÇÃO
Es estudantes desta disciplina serão avaliades com os conceitos “S” (suficiente) ou “I” (insuficiente): estudantes aprovades na disciplina receberão conceito “S”; e estudantes reprovades na disciplina receberão conceito “I”.

A avaliação des estudantes matriculados será realizada por meio dos seguintes dois mecanismos:

1. Realização de estágio em alguma instituição de ensino: A realização do estágio deve ser registrada no SAE. E estudante deve relatar sua experiência de estágio na forma de relatório submetido ao professor. Esta atividade é obrigatória para aprovação na disciplina. Estudantes que não realizarem estágio serão reprovados com conceito “I” (insuficiente).

2. Realização de 5 a 10 atividades assíncronas online: Cada estudante deverá realizar, e registrar, de 5 a 10 atividades, dentre as 20 propostas abaixo. O registro da atividade deve ser um relato simples (aproximadamente 1 página) de observações livres sobre a atividade realizada. Este registro deve ser enviado por mensagem eletrônica para o docente, via Moodle. Estudantes precisam realizar pelo menos 5 atividades (além do estágio) para serem aprovados com conceito “S” (suficiente). Estudantes que realizarem menos do que 5 atividades serão reprovados com conceito “I” (insuficiente), mesmo que tenham cumprido o estágio na escola. Estudantes que realizarem 5 ou mais atividades, além do estágio na escola, serão aprovados com conceito “S” (suficiente). Registros de atividade considerados insatisfatórios pelo docente precisarão ser refeitos. Só serão considerados registros recebidos até o último dia previsto pela DAC para inserção de médias finais no sistema.

A média final de cada estudante será: “S” (suficiente) se tiver realizado estágio e 5 ou mais atividades; “I” (insuficiente) se não tiver realizado estágio e/ou se tiver realizado menos do que 5 atividades.

EXAME: Caso algum estudante, que tenha realizado estágio, não obtenha média final “S” (suficiente) por não ter realizado pelo menos 5 atividades, poderá solicitar a revisão da nota mediante a entrega das atividades faltantes (é de responsabilidade de estudante a iniciativa de solicitar essa revisão).

SOBRE PLÁGIO: Plágio consiste na cópia de texto escrito por outrem sem indicação clara e citação da fonte original. A realização de plágio (total ou parcial) por parte de estudante em qualquer trabalho apresentado resultará na obtenção de nota zero.

CRONOGRAMA
Devido à impossibilidade de realização de atividades letivas presenciais, o cronograma desta disciplina envolve: (1) 15 encontros síncronos livres semanais coletivos online da turma com o docente (por link divulgado via Moodle), nos dias-horários oficiais da disciplina; (2) 6 horas semanais de estágio obrigatório a ser realizado em alguma instituição de ensino; e (3) 30 horas semestrais de atividades assíncronas (correspondentes a até 10 atividades de 3 horas), livremente escolhidas pele estudante dentre aquelas elaboradas e propostas pelo docente (ver ATIVIDADES, abaixo).

1. Os 15 encontros síncronos livres semanais coletivos online servirão para que estudantes esclareçam dúvidas e possam debater ideias geradas pela realização das atividades previstas. Não será cobrada presença nesses encontros, participa quem quiser-puder. Tais encontros não serão registrados, pois dirão respeito apenas àqueles presentes em cada ocasião.

2. As 6 horas semanais de estágio deverão ser cumpridas pele estudante em acordo com seu/sua professor/a supervisor/a na escola. O cumprimento dessa atividade deverá ser registrado junto ao SAE, e posteriormente relatado ao docente em forma de relatório.

3. As 30 horas de atividades assíncronas deverão ser cumpridas por meio da realização de 5 a 10 atividades, escolhidas livremente pele estudante dentre as 20 atividades propostas abaixo.

ATIVIDADES
Cada uma das 20 atividades listadas abaixo pode envolver a leitura de um ou mais textos, e o acompanhamento de um ou mais vídeos ou podcasts. Todas as atividades têm duração estimada de 3 horas (aproximadamente). Como detalhado acima (ver AVALIAÇÃO), cada estudante deve escolher de 5 a 10 dessas atividades para realizar (além do estágio), ser aprovade com conceito “S” (suficiente). Todas as atividades realizadas devem ser registradas na forma de texto com relato simples, e enviado por mensagem eletrônica via Moodle para o docente, até o último dia previsto pela DAC para inserção de médias finais no sistema. Documentos e textos indicados abaixo por sobrenome do autor, e ano da publicação, estão listados na BIBLIOGRAFIA, abaixo.

  • ATIVIDADE 01: Legislação.
    _Estudar os seguintes documentos: CEE (2020); Brasil (1996, 2019, 2020, s.d.).
  • ATIVIDADE 09: Pedagogia e técnica.
    _Ler um ou mais dos seguintes textos: Ingold (2010); Mauss (2003); Norman (1990); Sautchuk (2015); Simondon (2014); Viana (2020).
  • ATIVIDADE 17: Educação e devir.
    _Ler um ou mais dos seguintes textos: Aragon (2012, 2014); Bergson (2006); Bogue (2004); Deleuze (2006, 1989); Foucault e Deleuze (1992); Gallo (2012); Monteiro (2012).
    _Assistir um ou mais dos seguintes vídeos: O QUE É UMA AULA by Gilles Deleuze; Deleuze e a Educação

BIBLIOGRAFIA

ABBOTT, Edwin A. 2002. Planolândia: um romance de muitas dimensões. (Trad. Leila de S. Mendes) São Paulo: Conrad. [1884]
ANDREWS, Richard; HAYTHORNTHWAITE, Caroline (eds.). 2007. The Sage Handbook of e-learning research. Los Angeles: SAGE Publications.
ANGELINI, Kelli. s.d. #Internet com responsa na sua sala de aula: cuidados e responsabilidades no uso da Internet Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR; Comitê Gestor da Internet no Brasil.
ARAGON, Luis E.P. 2012. Por um conceito de vivacidade. Informática na Educação: Teoria & Prática 15(1):147-57.
__________. 2014. Individuar, nos individuar e individuar em nós: a transindividualidade do conhecer. Filosofia e Educação 6(3):187-208.
ARAÚJO, Ellen F.N. 2020. A temática indígena nos livros didáticos de sociologia. Perspectiva Sociológica 25(1):49-63.
BECKETT, Louis. 2019. Why parents in a school district near the CIA are forcing tech companies to erase kids’ data. The Guardian 05/12. Acessível em: https://amp.theguardian.com/education/2019/dec/05/schools-monitor-students-online-activity?.
BERGSON, Henri. 2006. Introdução à metafísica. In: O pensamento e o movente. (Trad. Bento Prado Neto) São Paulo: Martins Fontes, pp.183-234. [1903]
BIASOLI, Felipe I.O. 2019. O FabLab como semente da transformação democratizadora da economia de mercado. Mediações 24(3):125-38.
BOGUE, Ronald. 2004. Search, swim and see: Deleuze’s apprenticeship in signs and pedagogy of images. Educational Philosophy and Theory 36(3):328-42.
BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. 2011. Fundamentos de uma teoria da violência simbólica. (Trad. Reynaldo Bairão) In: A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Vozes, pp.21-90. [1970]
BRASIL. 2020. Portaria No 544, de 16 de julho de 2020. Ministério da Educação. Diário Oficial da União de 17/06/2020. 114(1):62.
__________. 2019. Lei Nº 13.709, de 14 de agosto de 2018: Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). (Redação dada pela Lei nº 13.853, de 8 de julho de 2019). Acessível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13709compilado.htm.
__________. 1996. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996: Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional (LDB). Acessível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394compilado.htm.
__________. sd. Base nacional comum curricular: educação é a base. Ministério da Educação.
BRODIE, Kristen. 2013. Hidden curriculum. In: James Ainsworth. (ed.). Sociology of education: an A-to-Z guide. Vol.1. Los Angeles: Sage, pp.351-3.
BROLEZZI, Antonio C. 2014. Empatia na relação aluno/professor/conhecimento. Encontro: Revista de Psicologia 17(27):123-31.
BRUNO, Fernanda. 2013. Individualização algorítmica. In: Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, pp.161-9.
CALARCO, Jessica M. 2013. Teacher expectations. In: James Ainsworth. (ed.). Sociology of education: an A-to-Z guide. Vol.2. Los Angeles: Sage, pp.773-7.
CEE. 2020. Parecer CEE No 109/2020. São Paulo: Conselho Estadual de Educação.
CHAGAS, Clarice. 2017. Etnografia. Perspectiva Sociológica 20(2):94-5.
CGI.br. s.d. Internet segura: divirta-se a aprenda a usar a Internet de forma segura. Comitê Gestor da Internet no Brasil.
__________. s.d. Internet segura para seus filhos: sua participação é muito importante! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil; Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR; Comitê Gestor da Internet no Brasil.
__________. s.d. #Fik Dik. Comitê Gestor da Internet no Brasil.
__________. s.d. #Internet com responsa: cuidados e responsabilidades no uso da Internet. Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR; Comitê Gestor da Internet no Brasil.
__________. 2018. Boatos. Cartilha de Segurança para Internet. Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil; Comitê Gestor da Internet no Brasil.
__________. 2017. Redes Sociais. Cartilha de Segurança para Internet. Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil; Comitê Gestor da Internet no Brasil.
CONDON, Barbara B. 2013. The present state of presence in technology. Nursing Science Quarterly 26(1):24-8.
CÓRDOVA, Yasodara. 2020. Como garantir acesso ao ensino digital e proteger os dados dos alunos. UOL 16/04. Acessível em: https://yaso.blogosfera.uol.com.br/2020/04/16/como-garantir-acesso-ao-ensino-digital-e-proteger-os-dados-dos-alunos/.
CORREIA DA SILVA, Rogério. 2014. Participação e aprendizagem na educação da criança indígena. Revista Brasileira de Educação19(58):655-70.
COX, Kate. 2020. Google faces state lawsuit alleging misuse of schoolkids’ private data. Ars Technica 21/02. Acessível em: https://arstechnica.com/tech-policy/2020/02/google-faces-state-lawsuit-alleging-misuse-of-schoolkids-private-data/.
CRAVO DE AZEVEDO, Gustavo. 2018. A Base Nacional Comum Curricular atropelada pela reforma do Ensino Médio: uma entrevista com Marcelo Burgos. Perspectiva Sociológica 21(1):5-20.
DELEUZE, Gilles. 2006. Instintos e instituições. (Trad. Hélio R. Cardoso Júnior) In: A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Iluminuras, pp.29-32. [1955].
__________. 1992. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: Conversações 1972-1990. (Trad. Peter P. Pelbart) Rio de Janeiro: Ed.34, pp.219-26. [1990]
__________. 1989. P de professor. In: Pierre-André Boutang (dir.). O abecedário de Gilles Deleuze. (Trad. Raccord) Transcrição, pp.55-60.
DURKHEIM, Émile. 2011. Educação e sociologia. (Trad. Stephania Matousek) Petrópolis: Vozes. [1922]
FACER, Keri; SELWYN, Neil. 2013. Towards a Sociology of Education and Technology. In: Rachel Brooks; Mark McCormack; Kalwant Bhopal (eds.). Contemporary debates in the Sociology of Education. New York: Palgrave Macmillan, pp.218-35.
FARIA, Beatriz V.D. 2018. O afeto e o toque. Perspectiva Sociológica 22(2):86-92.
FÉLIX, Camila C. 2017. Prática escolar, oficina de corpo: notas sobre uma experiência política dos afetos. Perspectiva Sociológica 1S:66-80.
FERGUSON, Hadley J. 2013. Journey into ungrading. Counterpoints 451(1):194-209.
FERREIRA, Walace; CAVALCANTI DE SANTANA, Diego. 2018. A reforma do Ensino Médio e o ensino de sociologia. Perspectiva Sociológica 21(1):41-53.
FISCHER, Maria C.; TIRIBA, Lia. 2009. Saberes do trabalho associado. In: Antonio D. Cattani; Jean-Louis Laville; GAIGER, Luiz I.; HESPANHA, Pedro. Dicionário Internacional da Outra Economia. Coimbra: Edições Almedina, pp. 293-8.
FISCHER, Rosa M.B. 2012. “Mitologias” em torno da novidade tecnológica em educação. Educação & Sociedade 33(121):1037-52.
FREIRE, Paulo. 1984. A máquina está a serviço de quem? Revista BITS 1(7):6.
__________. 1996. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra.
FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). 2017. Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP.
FOUCAULT, Michel; DELEUZE, Gilles. 1992. Os intelectuais e o poder. (Trad. Roberto Machado) In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, pp.69-78. [1972]
GALLO, Sílvio. 2012. Anarquismo e educação: os desafios para uma pedagogia libertária hoje. Política & Trabalho 36:169-86.
GARROTI, Cilene P. 2015a. Ri melhor quem ri em sala de aula? Um estudo sobre a percepção do riso por alunos e professores. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Metodista de São Paulo.
__________. 2015b. A percepção do riso na sala de aula: um estudo do ponto de vista dos alunos. Cadernos de Educação 14(29):38-57.
GONSALES, Priscila. 2020. LGPD e os impactos na educação. Iniciativa Educação Aberta. Acessível em: https://aberta.org.br/lgpd-e-os-impactos-na-educacao/.
HARAWAY, Donna. 1995. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu 5:7-41.
HARSHMAN, Jason R. 2013. Resistance theory. In: James Ainsworth. (ed.). Sociology of education: an A-to-Z guide. Vol.2. Los Angeles: Sage, pp.653-5.
HOOKS, bel. 2013. A construção de uma comunidade pedagógica: um diálogo. In: Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. (Trad.: Marcelo B. Cipolla) São Paulo: Martins Fontes, pp.173-222. [1994]
INGOLD, Timothy. 2010. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação 33(1):6-25.
JAMESON, Fredric. 1988. Cognitive Mapping. In: Cary Nelson; Lawrence Grossberg (eds.). Marxism and the interpretation of culture. Hampshire: Macmillan, pp.347-57.
JUNQUEIRA, Eduardo S. 2020. Vigilância em tempos de educação à distância. Outras Palavras 31/03. Acessível em: https://outraspalavras.net/tecnologiaemdisputa/vigilancia-em-tempos-de-educacao-a-distancia/.
KARASAVVIDIS, Ilias. 2002. Distributed cognition and educational practice. Journal of Interactive Learning Research 13(1/2):11-29.
KIDD, Ian; MEDINA, José; POHLHAUS JR., Gaile (eds.). 2017. The Routledge Handbook of epistemic injustice. London: Routledge.
LACHNEY, Michael; BOLTZ, Liz O.; DILLMAN, Brittany; ROBERTSON, Candance; YADAV, Aman. 2018. Local classrooms, global technologies: toward the integration of sociotechnical macroethical issues into teacher education. Bulletin of Science, Technology & Human Values 38(1-2):13-22.
LIMOEIRO, Beatrice C. 2017. Gênero e sexualidade como temas da sociologia escolar: uma comparação entre livros didáticos (PNLD 2012 e 2015). Perspectiva Sociológica 1S:53-63.
LOPES, Ana H.R.G.P.; ZUIN, Antônio A.S. 2013. Educação@tecnologias digitais: uma investigação do caso “diário de classe” do Facebook. Linhas Críticas 19(40):631-47.
MAUSS, Marcel. 2003. As técnicas do corpo. (Trad. Paulo Neves) In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, pp.399-422. [1934]
MOLIN, Suênia I.L. 2008. Projeto de aprendizagem e tecnologias digitais: novo fazer na prática pedagógica. Contrapontos 8(2):201-14.
MONTEIRO, Aline V. 2012. Simondon e a possibilidade de uma visão ontológica da educação contemporânea. Informática na Educação: Teoria & Prática 15(1):171-85.
NORMAN, Donald. 1990. Knowledge in the head and in the world; Knowing what to do. In: The design of everyday things. New York: Doubleday/Currency, pp. 54-104. [1988]
NUNES, Mark. 2006. Student bodies. In: Cyberspaces of everyday life. Minneapolis: University of Minnesota Press, pp. 127-59.
OLIVEIRA, Fabiana. 2019. Escolas na mira das corporações da internet. Outras Palavras 04/06. Acessível em: https://outraspalavras.net/tecnologiaemdisputa/escolas-na-mira-das-corporacoes-da-internet/.
OLIVEIRA, Otavio L. 2019. Comunicação não-violenta como ferramenta pedagógica: por uma prática docente propositiva e colaborativa. Perspectiva Sociológica 24(2):97-114.
OLLERO, Daniel J. 2020. Escándalo en Google: así “espía” a millones de niños en el colegio y en su casa. El Mundo 25/02. Acessível em: https://www.elmundo.es/tecnologia/2020/02/25/5e5459fcfc6c8366368b4577.html.
PARRA, Henrique Z.M.; CRUZ, Leonardo; AMIEL, Tel; MACHADO, Jorge. 2018. Infraestruturas, economia e política informacional: o caso do Google Suite for Education. Mediações 23(1):63-99.
PELISSIER, Catherine. 1991. The anthropology of teaching and learning. Annual Review of Anthropology 20:75-95.
PIRSIG, Robert M. 1984. Capítulos 15 a 17. In: Zen e a arte da manutenção de motocicletas: uma investigação sobre valores. (trad. Celina C. Cavalcanti) São Paulo: Paz e Terra, pp.166-202. [1974]
PONTES, Diego. 2017. Páginas contingentes: gênero e sexualidade no livro didático Sociologia Hoje. Perspectiva Sociológica 1S:23-43.
RUGGIERO, Dana. 2013. Technology in the classroom. In: James Ainsworth. (ed.). Sociology of education: an A-to-Z guide. Vol.2. Los Angeles: Sage, pp.784-7.
SAUTCHUK, Carlos E. 2015. Aprendizagem como gênese: prática, skill e individuação. Horizontes Antropológicos 21(44):109-39.
SAVIANI, Dermeval. 1984. Sobre a natureza e especificidade da educação. Em Aberto 22:0-7.
__________. 1994. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: Celso J. Ferreti; Dagmar M.l. Zibas; Felícia R. Madeira; Maria Laura P.B. Franco (orgs.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, pp.151-68.
__________. 2009. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação 14(40):143-55.
__________. 2013. O neoprodutivismo e suas variantes: neoescolanovismo, neoconstrutivismo,neotecnicismo (1991-2001). In: História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, pp.435-42. [2007]
SHARMA, Sue A.; DESCHAINE, Mark E. 2013. Digital curation: a framework to enhance adolescent and adult literacy iniciatives. Journal of Adolescend & Adult Literacy 60(1):71-8.
SILVA, Afrânio de Oliveira; FERREIRA, Lier P. 2016. O resgate legislativo da história e da cultura afro-brasileira e indígena nos currículos escolares: o que mudou? Perspectiva Sociológica 18(2):13-23.
SIMONDON, Gilbert. 2014. Place d’une initiation technique dans une formation humaine complète; Prolégomènes à une refonte de l’enseignement. In: Sur la technique (1953-1983). Paris: PUF, pp.203-53. [1953; 1954]
SOUZA DE CASTRO, Caroline. 2019. O gênero como conteúdo escolar da sociologia: uma análise dos livros didáticos de sociologia no PNLD 2015. Perspectiva Sociológica 24(2):33-50.
TRAINOR, Sonja. 2015. Student data privacy is cloudy today, clearer tomorrow. The Phi Delta Kappan 96(5):13-8.
UNESCO. 2014. Diretrizes de políticas da UNESCO para a aprendizagem móvel. Paris: UNESCO.
__________. 2010. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. (Trad.: Guilherme J.F. Teixeira) Paris: UNESCO.
VIANA, Diego. 2020. Notas sobre a mentalidade técnica: a intenção pedagógica e a ênfase ativa na filosofia da técnica de Gilbert Simondon. Filosofia Unisinos 21(1):79-94.
YASHINISHI, Bruno J. 2020. O uso de filmes em aulas de sociologia. Perspectiva Sociológica 25(1):27-35.
ZUIN, Antônio A.S. 2017. O Youtube e o cyberbullying de alunos contra professores around the world. Revista Eletrônica de Educação 11(2):340-50.

PODCASTS

VIDEOS

Educação Vigiada