HZ556-B – Sociologia do Conhecimento

Instituição: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Curso: Curso de Graduação em Ciências Sociais (Licenciatura e Bacharelado).
Ano letivo: 2018.
Período: 2º.
Disciplina: HZ556-B – Sociologia do Conhecimento
Aulas: Quarta-feira das 19h às 23h – Sala IH08.
Carga horária total: 60h.
Créditos: 4.

PROGRAMA
Esta disciplina proporá leituras e debates acerca do conhecimento como prática humana e social. Partiremos de leituras etnometodológicas e interacionistas de Émile Durkheim (1996; Allen et al. 1998; Bloor 1982; Giddens 1993; Latour 2014; Rawls 2002, 2004), em busca de um enquadramento compartilhado para debates envolvendo diferentes aspectos do conhecimento como prática coletiva (cf. Foucault e Deleuze 1992; Jameson 1988; Latour 2008; Law 1986; Lazzarato 1998; Viveiros de Castro 2002, 2015). A agenda de leituras e debates será definida em conjunto com a turma nas primeiras aulas, a partir de uma proposta inicial voltada para as implicações políticas de diferentes modos de conhecimento. Os acordos serão detalhados abaixo no CRONOGRAMA.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO
Pretendo iniciar a disciplina com debates motivados pelo livro Planolândia (Abbott 2002) e pelas leituras etnometodológicas e interacionistas de Durkheim (1996; Allen et al. 1998; Bloor 1982; Giddens 1993; Latour 2014; Rawls 2002, 2004). Durante essas primeiras aulas, definirei o desenvolvimento da disciplina com a turma. Os acordos serão detalhados abaixo no CRONOGRAMA.

AVALIAÇÃO
A ser definida em conjunto com a turma nas primeiras aulas, a partir de uma proposta inicial de atividade. Ainda em definição.

BIBLIOGRAFIA

ABBOTT, Edwin A. 2002. Planolândia: um romance de muitas dimensões. (Trad. Leila de S. Mendes) São Paulo: Conrad. [1884]
ALLEN, N.J.; PICKERING, W.S.F.; MILLER, W. Watts (eds.). 1998. On Durkheim’s Elementary forms of religious life. London: Routledge.
BOURDIEU, Pierre. 2004. I. The state of the question; II. A world apart. In: Science of science and reflexivity. (Trad. Richard Nice) Chicago: The University of Chicago Press, pp.4-84.
BECKER, Howard S. 1994. Métodos de pesquisa em Ciências Sociais. (Trad. Marco Estevão e Renato Aguiar) São Paulo: Hucitec, pp.135-52.
__________. 1996. Conferência: a Escola de Chicago. Mana 2(2):177-88.
__________. 2009. Falando da Sociedade: ensaios sobre as diferentes maneiras de representar o social. (Trad. Maria L.X.A. Borges) Rio de Janeiro: Zahar.
BERGSON, Henri. 2006. Introdução à metafísica. In: O pensamento e o movente. (Trad. Bento Prado Neto) São Paulo: Martins Fontes, pp.183-234. [1903]
BLOOR, David. 1982. Durkheim and Mauss revisited: classification and the Sociology of Knowledge. Studies in History and Philosophy of Science 13(4):267-97.
COLLINS, Randall. 2004. The program of interaction ritual theory. In: Interaction ritual chains. Princeton: Princeton University Press, pp.3-46.
DURKHEIM, Émile. 1996. As formas elementares da vida religiosa. (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes [1912]
FEDERICI, Silvia. 2017. O feminismo e as políticas do comum. (Trad. Luiza Mançano) São Paulo: N-1 (Série Pandemia). [2010]
FEYERABEND, Paul. 1977. Contra o método. (Trad. Octanny S. da Mota; Leonidas Hegenberg) Rio de Janeiro: F. Alves.
FISCHER, Maria C.; TIRIBA, Lia. 2009. Saberes do trabalho associado. In: Antonio D. Cattani; Jean-Louis Laville; GAIGER, Luiz I.; HESPANHA, Pedro. Dicionário Internacional da Outra Economia. Coimbra: Edições Almedina, pp. 293-8.
FLEXNER, Abraham. 2016. A utilidade do conhecimento inútil. (Trad. Luiz C. Bombassaro) In: Nuccio Ordine. A utilidade do inútil: um manifesto. Rio de Janeiro: Zahar, pp. 177-200. [1939]
FREITAS, Ana E.C. 2015. Intelectuais indígenas e a construção da universidade pluriétnica no Brasil: povos indígenas e os novos contornos do Programa de Edutação Tutorial/Conexões de Saberes. Rio de Janeiro: E-papers.
FOLEY, Simon. 2004. Technology and knowledge: the affirmation of power. Artificial Intelligence & Society 18:310-33.
FOUCAULT, Michel; DELEUZE, Gilles. 1992. Os intelectuais e o poder. (Trad. Roberto Machado) In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, pp.69-78. [1972]
GALLINO, Luciano. 2005. Conhecimento, Sociologia do. In: Dicionário de Sociologia. (Trad. José Maria de Almeida) São Paulo: Paulus, pp.150-5.
GALLO, Silvio. 2013. Conhecimento, transversalidade e educação: para além da interdisciplinaridade. Texto.
GARFINKEL, Harold. 2002. Author’s introduction. In: Ethnomethodology’s program: working out Durkheim’s aphorism. Rowman & Littlefield: Lanham, pp.65-76.
GIDDENS, Anthony. 1993. Sociology of knowledge. In: Emile Durkheim: selected writings. Cambridge: Cambridge University Press, pp.250-68. [1972]
__________. 2015. Anthropocene, Capitalocene, Plantationocene, Chthulucene: Making Kin. Environmental Humanities 6:159-65.
HASSAN, Robert. 2003. Network time and the new knowledge epoch. Time & Society 12(2/3):225-41.
HORTA, Natália B. 2015. Meio e cultura. In: O meme como linguagem da Internet: uma perspectiva semiótica Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGC). Universidade de Brasília (UnB), pp.47-62.
JAMESON, Fredric. 1988. Cognitive Mapping. In: Cary Nelson; Lawrence Grossberg (eds.). Marxism and the interpretation of culture. Hampshire: Macmillan, pp.347-57.
KENWAY, Jane. 2001. Educando cibercidadãos que sejam “ligados” e críticos. (Trad. Tomaz Tadeu da Silva) In: Luiz Heron da Silva (org.). A escola cidadã no contexto da globalização. Rio de Janeiro: Vozes, pp.99-120.
KIDD, Ian; MEDINA, José; POHLHAUS JR., Gaile (eds.). 2017. The Routledge Handbook of epistemic injustice. London: Routledge.
KUHN, Thomas S. 1998. Introdução: um papel para a História; 1. A rota para a ciência normal. In: A estrutura das revoluções científicas. (Trad.: Beatriz V. Boeira; Nelson Boeira) São Paulo: Perspectiva, pp.19-42. [1962]
KUKLICK, Henrika. 1983. The sociology of knowledge: retrospect and prospect. Annual Review of Sociology 9:287-310.
LATOUR, Bruno. 1994. Jamais fomos modernos. (Trad. Carlos Irineu da Costa) Rio de Janeiro: Ed.34.
__________. 2004. Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções. In: André Parente (org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. (Trad. Marcela Mortara) Porto Alegre: Sulina, pp.39-63.
__________. 2008. A textbook case revisited: knowledge as a mode of existence. In: Edward J. Hackett; Olga Amsterdamska; Michael Lynch; Judy Wajcman (eds.). The handbook of science and technology studies. Cambridge: The MIT Press, pp.83-112.
__________. 2014. Formes élémentaires de la sociologie; formes avancées de la théologie. Archives des Sciences Sociales des Religions 167:255-75.
LAW, John. 1986. Power/knowledge and the dissolution of the sociology of knowledge. In: John Law (ed.). Power, action and belief: a new sociology of knowledge? London: Routledge & Kegan Paul, pp. 1-19.
LAZZARATO, Maurizio. 1998. New forms of production and circulation of knowledge. In: Read me! ASCII culture and the revenge of knowledge. New York: Autonomedia, pp.159-66.
LÉVI-STRAUSS, Claude. 2002. O pensamento selvagem. (trad. Tânia Pellegrini) Campinas: Papirus. [1961]
__________. 2012. XV. A noção de estrutura em etnologia; XVI. Pósfácio ao Capítulo XV. In: Antropologia Estrutural (Trad.: Beatriz Perrone-Moisés) São Paulo: CosacNaify, pp.397-487. [1952; 1956]
LEITE, Leonardo R.T.; MATOS, José C.M. 2017. Zumbificação da informação: a desinformação e o caos informacional. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação 17:2334-49.
MACHADO, Giancarlo M.C. 2014. Introdução; A cidade vista através do olhar do skatista. In: De carrinho pela cidade: a prática do skate em São Paulo. São Paulo: Intermeios/Fapesp, pp.19-36; 110-68.
MARX, Karl. 1985. O caráter fetichista da mercadoria e seu segredo. In: O Capital. Vol.1. (Trad. Régis Barbosa; Flávio R. Kothe) São Paulo: Nova Cultural, pp.70-8. [1867]
MATTEDI, Marcos A. 2006. Sociologia e conhecimento: introdução à abordagem sociológica do problema do conhecimento. Chapecó: Argos.
MEDINA, Eden; MARQUES, Ivan da C.; HOLMES, Christina (eds.). 2014. Beyond imported magic: essays on science, technology, and society in Latin America. Cambridge: The MIT Press.
MBEMBE, Achille. 2018. Crítica da razão negra. (Trad. Sebastião Nascimento) São Paulo: n-1.
__________. 2018. O fardo da raça. (Trad. Sebastião Nascimento) São Paulo: N-1 (Série Pandemia).
NORMAN, Donald. 1990. Knowledge in the head and in the world; Knowing what to do. In: The design of everyday things. New York: Doubleday/Currency, pp. 54-104. [1988]
ORTIZ, Renato. 1989. Durkheim: arquiteto e herói fundador. Revista Brasileira de Ciências Sociais 11(4):.
__________. 2012. As formas elementares da vida religiosa e as ciências sociais contemporâneas. Lua Nova 87:13-31.
PEIRANO, Mariza. 1995. Os antropólogos e suas linhagens. In: A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Dumará, pp.13-29.
RAWLS, Anne W. 2002. Editor’s introduction. In: Harold Garfinkel. Ethnomethodology’s program: working out Durkheim’s aphorism. Rowman & Littlefield: Lanham, pp.1-64.
__________. 2004. Epistemology and practice: Durkheim’s The elementary forms of religious life. Cambridge: Cambridge University Press.
ROBERTO DO AMARAL, Wagner; FRAGA, Letícia; RODRIGUES, Isabel C. (orgs). 2016. Universidade para indígenas: a experiência do Paraná. Rio de Janeiro: FLACSO/LPP-UERJ.
ROBBINS, Joel. 2010. If there is no such thing as society, is ritual still special? On using The elementary forms after Tarde. In: Matei Candea (Ed.). The social after Gabriel Tarde: debates and assessments. London: Routledge, pp.93-101.
SERRES, Michel (dir.). 1985. Elementos para uma história das ciências. Vols. 1, 2 e 3. Lisboa: Terramar.
__________. 1998. Knowledge’s redemption. In: Read me! ASCII culture and the revenge of knowledge. New York: Autonomedia, pp.536-41.
SIDNELL, Jack. 2005. Talk and practical epistemology: the social life of knowledge in a Caribbean community. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company.
SIMONDON, Gilbert. 2008. A individuação à luz das noções de forma e de informação: introdução. (Trad. Pedro P. Ferreira; Francisco A. Caminati). Acessível em: https://cteme.files.wordpress.com/2011/05/simondon_1958_intro-lindividuation.pdf. [1958]
TARDE, Gabriel. 2007. Monadologia e Sociologia. In: Monadologia e Sociologia e outros ensaios. (trad. Paulo Neves) São Paulo: Cosac & Naify, pp.51-131. [1895]
VARGAS, Eduardo V.; LATOUR, Bruno; KARSENTI, Bruno; AÏT-TOUATI, Frédérique; SALMON, Louise. 2014. O debate entre Tarde e Durkheim. Teoria e Sociedade. Número Especial: Antropologias e Arqueologias, hoje; pp.28-61.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B. 2002. Entrevista com Eduardo Viveiros de Castro. In: A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, pp.475-92. [1999]
__________. 2015. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify/n-1.
WEBER, Max. 1992. A “objetividade” do conhecimento na Ciência Social e na Ciência Política. In: Metodologia das Ciências Sociais. Parte 1. (Trad. Augustin Wernet) Campinas: Cortez, pp.107-54. [1904]

CRONOGRAMA
AULA 01 – Dia 01/08: Introdução à disciplina. Apresentação e definição do programa. Leituras sugeridas: Abbott (2002); Bergson (2006); Flexner (2016); Foucault e Deleuze (1992); Gallino (2005); Jameson (1988); Kuklick (1983); Latour (2004, 2008); Law (1986); Lazzarato (1998); Mattedi (2006); Norman (1990); Serres (1985, 1998); Simondon (2008); Viveiros de Castro (2002, 2015).

AULA 02 – Dia 08/08: Dimensões do conhecimento. Leitura sugerida: Abbott (2002).

AULA 03 – Dia 15/08: Sociologia do conhecimento durkheimiana I. Leituras sugeridas: Durkheim (1996), Introdução e conclusão; Giddens (1993)

AULA 04 – Dia 29/08: Sociologia do conhecimento durkheimiana II. Leituras sugeridas: Allen etal. (1998); Becker (2009); Bloor (1982); Collins (2004); Garfinkel (2002); Latour (2014); Mattedi (2006); Ortiz (1989 e 2012); Rawls (2002, 2004); Robbins (2010); Sidnell (2005); Tarde (2007); Vargas et al. (2014).

AULA 05 – Dia 05/09: Clássicos. Leituras sugeridas: Marx (1985); Mattedi (2006:13-62; “Introdução à problemática do conhecimento: visões e divisões”; “Precursores da abordagem sociológica do conhecimento”); e Weber (1992).

AULA 06 – Dia 12/09: Estruturalismo de Lévi-Strauss. Leituras sugeridas: Lévi-Strauss (2002, 2012).

AULA 07 – Dia 19/09: Epistemologias. Leituras sugeridas: Viveiros de Castro (2002); Bergson (2006).

AULA 08 – Dia 26/09: Aula-debate com o doutorando Rodrigo Sega. Leituras sugeridas:

AULA 09 – Dia 03/10: Aula-debate conduzida por Ana Beatriz, Milena, Giulia e Pedro. Leituras sugeridas: Haraway (1995); Latour (1994:91-128).

AULA 10 – Dia 10/10: Aula-debate conduzida por Alexandre. Leituras sugeridas: Haraway (2015).

AULA 11 – Dia 17/10: Paralização dos estudantes para campanha de informação sobre a disputa eleitoral.

AULA 12 – Dia 31/10: Debate sobre as conjunturas nacional e acadêmica.

AULA 13 – Dia 07/11: Aulas-debate conduzidas por: Clóvis (Ouro); Lucas (Rádio); e Gleisson e Ana Paula (Carbono).

AULA 14 – Dia 14/11: Aulas-debate conduzidas por: Thaís e Olivandi; por Giovana, Marina, e Mateus (Nióbio); e por Matheus e Renato (Alumínio). Leituras sugeridas: Becker (1996); Peirano (1995).

AULA 15 – Dia 21/11: Aulas-debate conduzidas por: Aline, Thaís Camargo e Leonardo (internet). Leituras sugeridas: Horta (2015); Kenway (2001); Leite e Matos (2017).

AULA 16 – Dia 28/11: Aula-debate conduzida por Fábio (skate); e Alessandro, Fernando, Gustavo, Júlia e Juliano (Feyerabend+Popper+Kuhn+Bourdieu). Leituras sugeridas: Machado (2014); e Bourdieu (2004), Feyerabend (1977:19-37), Kuhn (1998) e Popper (1980).

03 a 18/12 – Prazo para entrada de Médias e Frequências do 2º período letivo de 2018..