Orientações mínimas para um bom trabalho acadêmico em Ciências Humanas

Após alguns anos de experiência docente universitária em Ciências Humanas, percebi que alguns problemas recorrentes em trabalhos de alunos de graduação poderiam ser facilmente evitados se fossem observadas algumas orientações mínimas. Assim, para facilitar meu trabalho (e o de outros professores e alunos que eventualmente possam se beneficiar dessas orientações), resolvi reunir tais orientações mínimas em 6 itens e publicá-las aqui. Espero sinceramente que elas possam ajudar!

1 – Identificação: antes de iniciar o texto, é importante apresentar as seguintes informações básicas, se você quiser garantir que o professor saiba que o trabalho é seu e qual é a disciplina você está cursando (note que muitos professores dão aulas simultaneamente para dezenas ou centenas de alunos em mais de uma disciplina/turma ao mesmo tempo). Não identificar seu trabalho simplesmente impede o professor de atribuir a sua nota a você. Os principais itens de identificação são:

  • Nome do aluno (sem isso o professor não saberá a quem atribuir a nota)

  • Registro Acadêmico (RA) do aluno (importante para confirmar o autor em caso de homonimia ou abreviações de nome)
  • Sigla, nome e turma da disciplina (principalmente quando o professor dá aulas para mais de uma disciplina ou turma)
  • Data em que o trabalho foi entregue (ajuda a evitar confusões)

2 – Título (e subtítulos): dê um título ao seu trabalho que permita ao leitor ter alguma idéia sobre o seu conteúdo. Se o trabalho for extenso (digamos, mais que 5 páginas), é aconselhável dividir o texto em seções com subtítulos próprios. Um trabalho sem título poderia ser comparado a uma rua movimentada sem sinalização: até dá pra trafegar, mas dificulta bastante.

3 – Revisão: depois de escrever o seu trabalho, faça uma revisão do texto para corrigir problemas de português (pontuação, acentuação, concordância, vocabulário, grafia etc.). Não revisar um trabalho antes de entregar seria o equivalente escrito de conversar usando gírias, sem se preocupar com a pronúncia adequada das palavras e sem atentar ao encadeamento lógico dos argumentos: pode até funcionar para algumas pessoas e em algumas situações, mas geralmente não funciona na universidade. Esta é, talvez, a maneira mais simples de evitar perder pontos na nota: revisar seu trabalho.

4 – Senso Comum: todo mundo sabe alguma coisa sobre muita coisa, e isso se chama “senso comum”. Para isso ninguém precisa cursar disciplinas na universidade ou ler textos acadêmicos. Assim, num trabalho acadêmico, espera-se que o aluno demonstre algo além do senso comum, algo além daquilo que ele poderia escrever sem nunca ter cursado a disciplina na qual está sendo avaliado, algo além daquilo que ele poderia escrever sem nunca ter lido nenhum texto trabalhado na referida disciplina. Por isso, procure sempre evidenciar, explicitamente no texto, como as aulas, as discussões em classe e os textos lidos durante a disciplina contribuíram para a argumentação apresentada no seu trabalho.

5 – Referências: ninguém sabe tudo, todo mundo usa outros textos e documentos para obter informações para o seu próprio texto, e esses outros textos e documentos precisam ser sempre citados explicitamente (de preferência seguindo algum formato padronizado). Sempre que você usar algum texto, livro, enciclopédia, dicionário, página na internet, notícia de jornal etc. como fonte de informação para seu trabalho, cite explicitamente essa referência. Isso não diminui em nada seu trabalho, pelo contrário, o fortalece. Citar suas referências demonstra capacidade própria de pesquisa e respeito pelo trabalho alheio.

6 – Plágio: plágio é a cópia integral ou parcial de trechos de qualquer extensão de textos alheios sem referência explícita à fonte original. Seria o equivalente acadêmico da “falsidade ideológica”, pois o aluno tenta se passar por autor de um texto escrito por outra pessoa, ou seja, tenta enganar o professor fazendo-o acreditar que o texto é seu. É importante notar que muitos alunos praticam plágio na Universidade sem nem saber que estão fazendo algo inaceitável, simplesmente pois se acostumaram a usar a prática no Ensino Médio sem nunca sofrerem suas consequências. Seria desejável, neste caso, alguma paciência pedagógica por parte do professor, de orientar adequadamente o aluno e oferecer-lhe uma segunda chance para escrever seu trabalho com suas próprias palavras e citando corretamente as referências empregadas.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s