Sociologia da Ciência

Instituição: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Curso: Graduação em Ciências Sociais.
Ano letivo: 2020.
Período: 1º.
Disciplina: HZ559-B – Sociologia da Ciência.
Aulas: Quarta-feira das 19h às 23h – Sala IH07.
Carga horária total: 60h.
Créditos: 4.

NOTA SOBRE ALTERAÇÕES MOTIVADAS PELA COVID-19: Esta disciplina teve duas aulas presenciais, nos dias 04 e 11/03, antes da suspensão das atividades presenciais na Unicamp no dia 12/03/2020. Entre o dia 11/03 e o dia 13/05, a disciplina foi gradualmente sendo reformulada no sistema Moodle, com acréscimo de textos e material de mídia. No dia 13/05 ocorreu o primeiro encontro online da disciplina, e desde então estamos mantendo encontros semanais no dia-horário da disciplina, para debater textos ligados à Sociologia da Ciência.

PROGRAMA
Esta disciplina propõe abordar o campo da sociologia da ciência a partir de um caso particular: a agência social dos elementos químicos. Elementos químicos têm uma vida social; sua agência é concebida e enquadrada socialmente. Esta disciplina propõe debater a possibilidade de uma sociologia da ciência voltada para a agência social dos elementos químicos à luz de conceitos elaborados nas áreas da antropologia, filosofia e sociologia da ciência.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO
A disciplina será desenvolvida na forma de 3 camadas semi-concomitantes, que podem ser imaginadas como se sobrepondo da seguinte forma, ao longo das 15 aulas do semestre:


A primeira camada consiste em uma pesquisa, que deverá ser realizada pelxs estudantes (individualmente ou em grupo), e em conjunto com o professor, sobre qualquer um dos 118 elementos químicos atualmente conhecidos. Esta pesquisa deverá ser apresentada para a classe em, pelo menos, duas ocasiões: uma breve apresentação parcial durante o semestre; uma apresentação final na última aula. O objetivo desta camada é promover o surgimento de um solo comum de discussões, entre estudantes e professor, sobre a agência social dos elementos químicos. Um bom ponto de partida para esta pesquisa pode ser a página “Elemento (química)” da Wikipédia. A página Sociologia Elementar, do Laboratório de Sociologia dos Processos de Associação (LaSPA), também pode ser um recurso relevante.

A segunda camada consiste em debates e leituras ligadas aos estudos sociais da ciência e da tecnologia. Esta camada tem por objetivo familiarizar xs estudantes com os campos da antropologia, filosofia e sociologia da ciência e da tecnologia (seus métodos, conceitos e debates). Em concomitância com a primeira camada, esta familiarização se dará a partir de uma situação de pesquisa concreta. As leituras ligadas a esta camada serão divididas em três blocos. No bloco “Sociologia clássica” leremos e debateremos: Durkheim (1996); Lévi-Strauss (1998, 2008); Marx (2011); Marx e Engels (2005); Weber (1992); e McKinnon (2010). No bloco “Sociologia contemporânea” leremos e debateremos: Haraway (1995); e Latour (1994, 1998, 2000). No bloco “Elementos químicos” leremos e debateremos: Bensaude-Vincent e Stengers (1993); Bensaude-Vincent e Simon (2008); e Loeve e Bensaude-Vincent (2017).

A terceira camada desta disciplina consiste nas apresentações finais dxs estudantes. O objetivo dessas apresentações será avaliar as possibilidades, apresentadas pelxs estudantes à luz dos debates realizados, de leituras e interpretações da agência social de alguns elementos químicos.

AVALIAÇÃO

(1) Presença em sala de aula: Registro de presença em sala de aula. Estudantes com mais de 4 faltas serão reprovadxs.

(2) Pesquisa sobre elemento químico: Cada estudante deverá investigar, em grupo ou individualmente, a agência social de qualquer um dos 118 elementos químicos atualmente conhecidos. Esta pesquisa deverá ser apresentada para a classe pelos menos duas vezes: uma apresentação parcial ao longo do semestre; e uma apresentação ao final do semestre. Um bom ponto de partida para esta pesquisa pode ser a página “Elemento (química)” da Wikipédia. Uma fonte de recursos interessante pode ser o site Sociologia Elementar.

(3) Apresentação final: Apresentações presenciais, em sala de aula, em grupo ou individuais, dos resultados alcançados nas pesquisas realizadas (item 2).

A média final de cada estudante corresponderá a uma ponderação envolvendo sua pesquisa sobre algum elemento químico (2) e sua nota na apresentação final (3).

EXAME: Caso algumx estudante não obtenha média final suficiente para aprovação (5, cinco), poderá solicitar um exame para tentar melhorar sua nota (é de responsabilidade dx estudante a iniciativa de solicitar esse exame).

SOBRE PLÁGIO: Plágio consiste na cópia de texto escrito por outrem sem indicação clara e citação da fonte original. A realização de plágio (total ou parcial) por parte dx estudante em qualquer trabalho apresentado resultará na obtenção de nota zero.

SOBRE FALTAS: Seguindo a regulação da DAC, será reprovadx x estudante que exceder o limite máximo de 4 faltas (25% da carga horária). A presença em sala de aula será registrada pelx próprix estudante (com nome e RA) em lista disponibilizada durante cada aula. A não assinatura da lista em qualquer aula resultará no registro de falta. A assinatura por outra pessoa que não x próprix estudante resultará em falta. Cabe ax estudante certificar-se de que assinou a lista de presença em todas as aulas presenciadas (ou seja: não serão abonadas faltas devidas ao “esquecimento” de assinar a lista de presença). Só serão abonadas faltas justificadas diretamente ao professor responsável e com apresentação de documentação comprobatória ou atestado.

CRONOGRAMA
AULA 01 – Dia 04/03: Apresentação da disciplina. Leituras sugeridas: Dias et al. (2016); Mattedi (2006); Stengers (2018).

AULA 02 – Dia 11/03: Sociologia clássica I. Leitura obrigatória: Durkheim (1996). Leitura sugerida: Eliade (1979).

AULA 03 – Dia 18/03: Sociologia clássica II. Leituras obrigatórias: Marx (2011); Weber (1992). Leituras sugeridas: Marx e Engels (2005); McKinnon (2010).

AULA 04 – Dia 25/03: Sociologia clássica III. Leitura obrigatória: Lévi-Strauss (2008). Leitura sugerida: Lévi-Strauss (1998).

AULA 05 – Dia 01/04: Sociologia contemporânea I. Leitura obrigatória: Latour (2000:11-36; Introdução). Leitura sugerida: Latour (1994).

AULA 06 – Dia 08/04: Sociologia contemporânea II. Leitura obrigatória: Latour (2000:39-104; Literatura). Leitura sugerida: Latour (1998).

AULA 07 – Dia 15/04: Sociologia contemporânea III. Leitura obrigatória: Latour (2000:169-237; Máquinas). Leitura sugerida: Haraway (1995).

AULA 08 – Dia 22/04: Elementos químicos I. Leitura obrigatória: Latour (2000:349-420; Centrais de cálculo). Leituras sugeridas: Bensaude-Vincent e Stengers (1993); Bensaude-Vincent e Simon (2008).

AULA 09 – Dia 29/04: Elementos químicos II. Leitura obrigatória: Kopenawa e Albert (2015). Leituras sugeridas: Bensaude-Vincent e Stengers (1993); Bensaude-Vincent e Simon (2008).

AULA 10 – Dia 06/05: Elementos químicos III. Leitura obrigatória: Bensaude-Vincent (1985). Leituras sugeridas: Bensaude-Vincent e Stengers (1993); Bensaude-Vincent e Simon (2008).

AULA 11 – Dia 13/05: Elementos químicos IV. Leitura obrigatória: Dias et al. (2016).Leituras sugeridas: Loeve e Bensaude-Vincent (2017).

AULA 12 – Dia 20/05: Debates I. Leituras sugeridas: .

AULA 13 – Dia 27/05: Debates II. Leituras sugeridas: .

AULA 14 – Dia 03/06: Debates III. Leituras sugeridas: .

AULA 15 – Dia 10/06: Apresentações finais.

04/07 – Último dia para o cumprimento da carga horária (DAC).
06 a 21/07 – Prazo para entrada de Médias e Frequências do 1º período letivo de 2020.

BIBLIOGRAFIA

BENSAUDE-VINCENT, Bernadette. 1985. Mendeleiev: história de uma descoberta. In: Michel Serres (Dir.). Elementos para uma história das ciências. Lisboa: Terramar, pp.77-102.
BENSAUDE-VINCENT, Bernadette; SIMON, Jonathan. 2008Chemistry: the impure science. London: Imperial College Press.
BENSAUDE-VINCENT, Bernadette; STENGERS, Isabelle. 1993. Histoire de la chimie. Paris: Éditions la Découverte.
DIAS, Jamile P; BORBA, Maria; VANZOLINI, Marina; SZTUTMAN, Renato; SCHAVELZON, Salvador. 2016. Entrevista – uma ciência triste é aquela em que não se dança: conversações com Isabelle Stengers. Revista de Antropologia 59(2):155-86.
DURKHEIM, Émile. 1996. Introdução; Conclusão. In: As formas elementares da vida religiosa. (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes, pp.v-xxvii; 457-98. [1912]
EDE, Andrew. 2006The chemical element: a historical perspective. Westport: Greenwood Press.
ELIADE, Mircea. 1979. Meteoritos e metalurgia. In: Ferreiros e alquimistas. (Trad. Roberto Cortes de Lacerda) Rio de Janeiro: Zahar, pp.17-22. [1977]
GRAY, Theodore. 2016Os elementos: uma exploração visual dos átomos conhecidos no universo. (Trad. Henrique E. Toma) São Paulo: Blucher.
HARAWAY, Donna. 1995. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu 5:7-41.
KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. 2015. O ouro canibal. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. (Trad. Beatriz Perrone-Moisés) São Paulo: Companhia das Letras, pp.356-72.
KREBS, Robert E. 2006The history and use of our Earth’s chemical elements: a reference guide. Westport: Greenwood Press.
LATOUR, Bruno. 1994. Relativismo. In: Jamais fomos modernos. (Trad. Carlos Irineu da Costa) Rio de Janeiro: Ed.34, pp.91-128.
__________. 1998. From the world of science to the world of research. Science 280:208-9.
__________. 2000. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. (Trad. Ivone C. Benedetti) São Paulo: Editora da UNESP. [1987]
LÉVI-STRAUSS, Claude. 1998. Science: forever incomplete. Society 35(2):222-4. [1979]
__________. 2008. A ciência do concreto. In: O pensamento selvagem. (trad. Tânia Pellegrini) Campinas: Papirus, pp.15-49. [1961]
LOEVE, Sacha; BENSAUDE-VINCENT, Bernadette. 2017. The multiple signatures of carbon. In: Bernadette Bensaude-Vincent; Sacha Loeve; Alfred Nordmann; Astrid Schwarz (eds.). Research objects in their technological settings. London: Routledge, pp.185-200.
MARX, Karl. 2011. O caráter fetichista da mercadoria e seu segredo. In: O Capital. Vol.1. (Trad. Rubens Enderle) São Paulo: Boitempo, pp.204-18. [1867]
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. 2005. Manifesto comunista. (Trad. Álvaro Pina) São Paulo: Boitempo. [1848]
MATTEDI, Marcos A. 2006Sociologia e conhecimento: introdução à abordagem sociológica do problema do conhecimento. Chapecó: Argos.
McKINNON, Andrew M. 2010. Elective affinities of the protestant ethic: Weber and the chemistry of capitalism. Sociological Theory 28(1):108-26.
NEWTON, David E. 2010Chemical elements. Detroit: Gale.
PUGLIESE, Gabriel. 2012Sobre o “caso Marie Curie”: a radioatividade e a subversão do gênero. São Paulo: Alameda.
RINGNES, Vivi. 1989. Origin of the names of chemical elements. Journal of Chemical Education 66(9):731-8.
STENGERS, Isabelle. 2018. Another science is possible: a manifesto for slow science. (Trad, Stephen Muecke) Cambridge: Polity Press. [2013]
WEBER, Max. 1992. A “objetividade” do conhecimento na Ciência Social e na Ciência Política. In: Metodologia das Ciências Sociais. Parte 1. (Trad. Augustin Wernet) Campinas: Cortez, pp.107-54. [1904]