Sociologia da Tecnologia (2S2019)

Instituição: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Curso: Graduação em Ciências Sociais.
Ano letivo: 2019.
Período: 2º.
Disciplina: HZ059-A – Sociologia da Tecnologia: as formas elementares da vida eletrônica.
Aulas: Quarta-feira das 08h às 12h – Sala PB12.
Carga horária total: 60h.
Créditos: 4.
Monitoria: Fabiano Galletti Faleiros (PED C).

PROGRAMA
Objetos técnicos têm uma vida social: sua agência é concebida e enquadrada socialmente. Esta disciplina propõe debater a vida social promovida pelos objetos técnicos eletrônicos, a partir do modo de existência de seus componentes: bateria, motor, resistor; capacitor; indutor, transistor, relé etc. Isto será feito à luz de conceitos elaborados nas áreas da antropologia, filosofia e sociologia da tecnologia.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO
A disciplina será desenvolvida na forma de 3 camadas semi-concomitantes, que podem ser imaginadas como se sobrepondo da seguinte forma, ao longo das 15 aulas do semestre:


A primeira camada consiste em uma pesquisa, que deverá ser realizada pelxs estudantes (individualmente ou em grupo), e em conjunto com o professor, sobre algum componente eletrônico. Esta pesquisa deverá ser apresentada para a classe em, pelo menos, duas ocasiões: uma breve apresentação parcial durante o semestre; uma apresentação final na última aula. O objetivo desta camada é promover o surgimento de um solo comum de discussões, entre estudantes e professor, sobre formas contemporâneas de vida eletrônica.

A segunda camada consiste em debates e leituras ligadas aos estudos sociais da ciência e da tecnologia. Esta camada tem por objetivo familiarizar xs estudantes com os campos da antropologia, filosofia e sociologia da ciência e da tecnologia (seus métodos, conceitos e debates). Em concomitância com a primeira camada, esta familiarização se dará a partir de uma situação de pesquisa concreta.

A terceira camada desta disciplina consiste nas apresentações finais dxs estudantes. O objetivo dessas apresentações será avaliar as possibilidades, apresentadas pelxs estudantes à luz dos debates realizados, de leituras e interpretações da agência social de alguns componentes eletrônicos.

AVALIAÇÃO

(1) Presença em sala de aula: Registro de presença em sala de aula. Estudantes com mais de 4 faltas serão reprovadxs.

(2) Pesquisa sobre componente eletrônico: Cada estudante deverá investigar, em grupo ou individualmente, a agência social de algum componente eletrônico. Esta pesquisa deverá ser apresentada para a classe pelos menos duas vezes: uma apresentação parcial ao longo do semestre; e uma apresentação ao final do semestre.

(3) Apresentação final: Apresentações presenciais, em sala de aula, em grupo ou individuais, dos resultados alcançados nas pesquisas realizadas (item 2).

A média final de cada estudante corresponderá a uma ponderação envolvendo sua pesquisa sobre algum componente eletrônico (2) e sua nota na apresentação final (3).

EXAME: Caso algumx estudante não obtenha média final suficiente para aprovação (5, cinco), poderá solicitar um exame para tentar melhorar sua nota (é de responsabilidade dx estudante a iniciativa de solicitar esse exame).

SOBRE PLÁGIO: Plágio consiste na cópia de texto escrito por outrem sem indicação clara e citação da fonte original. A realização de plágio (total ou parcial) por parte dx estudante em qualquer trabalho apresentado (fichamento ou apresentação final) resultará na obtenção de nota zero.

SOBRE FALTAS: Seguindo a regulação da DAC, será reprovadx x estudante que exceder o limite máximo de 4 faltas (25% da carga horária). A presença em sala de aula será registrada pelx próprix estudante (com nome e RA) em lista disponibilizada durante cada aula. A não assinatura da lista em qualquer aula resultará no registro de falta. A assinatura por outra pessoa que não x próprix estudante resultará em falta. Cabe ax estudante certificar-se de que assinou a lista de presença em todas as aulas presenciadas (ou seja: não serão abonadas faltas devidas ao “esquecimento” de assinar a lista de presença). Só serão abonadas faltas justificadas diretamente ao professor responsável e com apresentação de documentação comprobatória ou atestado.

CRONOGRAMA
AULA 01 – Dia 07/08: Apresentação da disciplina. Leituras sugeridas: Haraway (1991); Platt (2009, 2013); Platt e Jansson (2015, 2016); Wilczek (2013).

AULA 02 – Dia 14/08: Sociologia da tenologia I (clássicos). Leituras sugeridas: Benjamin (1994); Caffentzis (2007); Celis (2017); Durkheim (1995, 1996); Hornborg (2001); Marx (2013); Rammert (1997); Wendling (2009).

AULA 03 – Dia 21/08: Antropologia da tecnologia. Leituras sugeridas: Mauss (2002, 2003, 2006), Leroi-Gourhan (1965); Gell (1988, 1994, 1998).

AULA 04 – Dia 04/09: Palestra convidada I: Thaís G. Capovilla (mestranda, PPGS). Leituras sugeridas: .

AULA 05 – Dia 11/09: Tecnicidade. Leituras sugeridas: Loeve etal. (2018); (Simondon (2008, 2014).

AULA 06 – Dia 18/09: Palestra convidada II. Stefano Schiavetto Amâncio (doutorando, PPGS). Leituras sugeridas: .

AULA 07 – Dia 25/09: Maquinismos. Leituras sugeridas: Bensaude-Vincent (2010); Deleuze e Guattari (2010), Loeve e Bensaude-Vincent (2017).

AULA 08 – Dia 02/10: Sociologia da tecnologia II (mediação técnica). Leituras sugeridas: Haraway (1988); Latour (2000b, 2002, 2004, 2005, 2010).

AULA 09 – Dia 09/10: Teoria Ator-Rede (métodos). Leituras sugeridas: Akrich (1992); Barron (2003); Latour (2000a, 2011); Latour etal. (1992).

AULA 10 – Dia 16/10: Metais. Leituras sugeridas: Albert e Kopenawa (2015); Cline (2014); Hensel etal. (2014); Sheller (2014); Stickle (2017); Zimring (2017).

AULA 11 – Dia 23/10: Baterias. Leituras sugeridas: Afonso etal. (2003); Bocchi etal (2000); Writer (2019).

AULA 12 – Dia 30/10: Vida eletrônica. Leituras sugeridas: Amancio (2014); Cressler (2009); Stine (2019).

AULA 13 – Dia 06/11: Vida eletrônica. Leituras sugeridas: Dunne (2005); Hertz (2018); Thwaites (2011).

AULA 14 – Dia 20/11: Vida eletrônica. Leituras sugeridas: Abraham (2015); Gabrys (2013); Gerbase e Reis de Oliveira (2012); Macedo etal. (2012); Oliveira etal. (2010); Parikka (2011); Pearce (2008); WEF (2019).

AULA 15 – Dia 27/11: Apresentações finais.

30/11 – Prazo da DAC para o término das aulas do 2º período letivo de 2019.
02 a 17/12 – Prazo para entrada de Médias e Frequências do 2º período letivo de 2019.

BIBLIOGRAFIA

ABRAHAM, David S. 2015The elements of power. New Haven: Yale University Press.
AFONSO, Júlio C; BARANDAS, Ana P.M.G.; PINTO DA SILVA, Gustavo A.; GUIMARÃES DA FONSECA, Sandro. 2003. Processamento da pasta eletrolítica de pilhas usadas. Química Nova 26(4):573-7.
AKRICH, Madeleine. 1992. The de-scription of technological objects. In: Wiebe E. Bijker; John Law (eds.). Shaping technology/building society: studies in sociotechnical change. Cambridge: The MIT Press, pp.205–24.
ALBERT, Bruce; KOPENAWA, Davi. 2015. O ouro canibal. PISEAGRAMA 8:32-41.
AMANCIO, Stefano S. 2014. Formas contemporâneas de relação entre capital e tecnicidade: estudo sobre a gênese de microprocessadores de licença proprietária e livre. Dissertação de Mestrado em Sociologia. PPGS/Unicamp.
BARRON, Colin (ed.). 2003. A strong distinction between humans and non-humans is no longer required for research purposes: a debate between Bruno Latour and Steve Fuller. History of the Human Sciences 16(2):77-99.
BENJAMIN, Walter. 1994. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, pp.165-96. [1935-6]
BENSAUDE-VINCENT, Bernadette. 2010. Materials as machines. In: A. Nordmann; M. Carrier (eds.). Science in the context of application. Dordrecht: Springer, pp.101-14.
BENSAUDE-VINCENT, Bernadette; SIMON, Jonathan. 2008Chemistry: the impure science. London: Imperial College Press.
BOCCHI, Nerilso; FERRACIN, Luiz C.; BIAGGIO, Sonia R. 2000. Pilhas e baterias: funcionamento e impacto ambiental. Química Nova na Escola 11.
CAFFENTZIS, George. 2007. Crystals and analytic engines: historical and conceptual preliminaries to a new theory of machines. ephemera 7(1):24-45.
CELIS, Claudio. 2017. The attention economy: labour, time, and power in cognitive capitalism. London: Rowman & Littlefield.
CLINE, Alex C. 2014. Notes on metallic affect: metallurgy and new materialism. Forum 19:1-12.
CRESSLER, John D. 2009Silicon Earth: introduction to the microelectronics and nanotechnology revolution. Cambridge: Cambridge University Press.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. 2010. As máquinas desejantes; Balanço-programa para as máquinas desejantes. In: O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. (Trad. Luiz B. Orlandi) São Paulo: Ed.34, pp. 11-71; 507-34. [1972]
DUNNE, Anthony. 2005. The electronic as post-optimal object. In: Hertzian tales: electronic products, aesthetic experience, and critical design. Cambridge: The MIT Press, pp.1-20.
DURKHEIM, Émile. 1995As regras do método sociológico. (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes. [1895].
__________. 1996As formas elementares da vida religiosa. (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes [1912].
GABRYS, Jennifer. 2013Digital rubbish: a natural history of electronics. Ann Harbor: The University of Michigan Press.
GELL, Alfred. 1988. Technology and magic. Anthropology Today 4(2):6-9.
__________. 1994. The technology of enchantment and the enchantment of technology. In: Jeremy Coote; Anthony Shelton (eds.). Anthropology, art and aesthetics. Oxford: Clarendon Press, pp.40-63.
__________. 1998Art and agency: an anthropological theory. Oxford: Clarendon Press.
GERBASE, Annelise E.; REIS DE OLIVEIRA, Camila. 2012. Reciclagem do lixo de informática: uma oportunidade para a Química. Química Nova 35(7):1486-92.
HARAWAY, Donna. 1988. Situated knowledges: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist Studies 14(3):575-99.
__________. 1991. A cyborg manifesto: science, technology, and socialist-feminism in the late twentieth century. In: Simians, cyborgs, and women: the reinvention of nature. London: Free Association Books, pp.149-81. [1987]
HENSEL, Friedrich; SLOCOMBE, Daniel R.; EDWARDS, Peter P. 2014. On the occurrence of metallic character in the periodic table of the chemical elements. Philosophical Transactions of the Royal Society A 373:20140477.
HERTZ, Garnet (ed.). 2018. Disobetient electronics: protest. The Studio for Critical Making.
HORNBORG, Alf. 2001. Symbolic technologies: machines and the marxian notion of fetishism. Anthropological Theory 1(4):473-96.
LATOUR, Bruno. 1988. How to write The Prince for machines as well as for machinations. In: Brian Elliott (ed.). Technology and social change. Edinburgh: Edinburgh University Press, pp.20-43.
__________. 1994. On technical mediation: Philosophy, Sociology, Genealogy. Common Knowledge 3(2):29-64.
__________. 2000aCiência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. (Trad. Ivone C. Benedetti) São Paulo: Editora Unesp. [1987].
__________. 2000b. La fin des moyens. Reseaux 100:39-58.
__________. 2002. Morality and technology. Theory, Culture & Society 19(5-6):247-60.
__________. 2004. Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções. In: André Parente (org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. (Trad. Marcela Mortara) Porto Alegre: Sulina, pp.39-63.
__________2005Reassembling the social: an introduction to actor-network theory. Oxford: Oxford University Press.
__________. 2010. Prendre le pli des techniques. Reseaux 163:11-31.
__________2011. Avoir ou ne pas avoir de réseau: that’s the question. In: Madeleine Akrich; Yannick Barhe; Fabian Muniesa; Philippe Mustar (orgs.). Débordements: mélanges offerts à Michel Callon. Paris: Presses de Mines, pp.257-67.
LATOUR, Bruno; MAUGUIN, Philippe; TEIL, Geneviève. 1992. A note on socio-technical graphs. Social Studies of Science 22(1):33-57.
LEROI-GOURHAN, André. 1965. Mémoire et technique. In: Le geste et la parole: la mémoire et les rythmes. Paris: Albin Michel, pp.7-76.
LOEVE, Sacha; BENSAUDE-VINCENT, Bernadette. 2017. The multiple signatures of carbon. In: Bernadette Bensaude-Vincent; Sacha Loeve; Alfred Nordmann; Astrid Schwarz (eds.). Research objects in their technological settings. London: Routledge, pp.185-200.
LOEVE, Sacha; GUCHET, Xavier; BENSAUDE-VINCENT, Bernadette. 2018. French philosophy of technology: classical readings and contemporary approaches. Cham: Springer.
MACEDO, Danilo H.; PAGLIARINI, Pedro C.; FALSETTA, Alexandre. 2012. O lixo eletrônico na Unicamp: estudo de caso sobre as oportunidades não exploradas. Revista Ciências do Ambiente On-Line 8(1):28-33.
MARX, Karl. 2013O Capital: Crítica da Economia Política. Livro I. Processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo.
MAUSS, Marcel. 2002. Technologie. In: Manuel d’ethnographie. Les Classiques des Sciences Sociales, pp.22-64. [1926]
__________. 2003. As técnicas do corpo. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, pp.399-422. [1934]
__________. 2006. Techniques, technology and civilisation. Berghahn Books.
OLIVEIRA, Rafael da Silva; GOMES, Elisa S.; AFONSO, Júlio C. 2010. O lixo eletroeletrônico: uma abordagem para o ensino fundamental e médio. Química Nova na Escola 32(4):240-8.
PARIKKA, Jussi. 2011. Medianatures: the materiality of information technology and electronic waste. Open Humanities Press.
PEARCE, Fred. 2008. Confessions of an eco-sinner: tracking down the sources of my stuff. Boston: Beacon Press.
PLATT, Charles. 2009. Make: electronics. Beijing: O’Reilly.
__________. 2013. Encyclopedia of electronic components. Vol.1: Power sources & conversion. Beijing: O’Reilly.
PLATT, Charles; JANSSON, Fredrik. 2015. Encyclopedia of electronic components. Vol.2: Signal processing. Beijing: O’Reilly.
__________. 2016. Encyclopedia of electronic components. Vol.3: Sensors. Beijing: O’Reilly.
RAMMERT, Werner. 1997. New rules of the sociological method: rethinking technology studies. The British Journal of Sociology 48(2):171-91.
RIBBAT, Christoph. 2011Flickering lights: a history of neon. London: Reaktion Books.
SHELLER, Mimi. 2014. Aluminum dreams: the making of light modernity. Cambridge: The MIT Press.
SIMONDON, Gilbert. 2008. Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Aubier. [1958]
__________. 2014Sur la technique (1953-1983). Paris: PUF.
STERNE, Jonathan. 2003. Bourdieu, technique and technology. Cultural Studies 17(3/4):367-89.
STICKLE, Benjamin F. 2017. Metal scrappers and thieves: scavenging for survival and profit. Cham: Palgrave.
STINE, Kyle. 2019. Critical hardware: the circuit of image and data. Critical Inquiry 45:762-86.
THWAITES, Thomas. 2011. The toaster project: or an heroic attempt to build a simple electric appliance from scratch. New York: Princeton Architectural Press.
WEF. 2019. A new circular vision for electronics: time for a global reboot. Cologny: World Economic Forum.
WENDLING, Amy. E. 2009. Karl Marx on technology and alienation. New York: Palgrave.
WILCZEK, Frank. 2013. The enigmatic electron. Nature 498:31-2.
WRITER, Beta. 2019. Lithium-ion batteries: a machine-generated summary of current research. Cham: Springer.
ZIMRING, Carl A. 2017. Aluminum upcycled: sustainable design in historical perspective. Baltimore: Johns Hopkins University Press.