Sociologia de Durkheim (1S2019)

Instituição: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Curso: Graduação em Ciências Sociais.
Ano letivo: 2019.
Período: 1º.
Disciplina: HZ158-B – Sociologia de Durkheim
Aulas: Quarta-feira das 19h às 23h – Sala CB09.
Carga horária total: 75h.
Créditos: 5.
Monitoria: Evandro Cruz Silva (PED C), Iandra Moretti (PAD) e Thiago A.A. Torres (PAD).

PROGRAMA
O principal objetivo da disciplina é explorar alguns conceitos e ideias fundamentais de David Émile Durkheim a partir da sua obra, de seu contexto, e de seus desdobramentos, incluindo debates sociológicos e sociais contemporâneos. A disciplina aproveitará a sociologia de Durkheim como uma espécie de iniciação dx estudante na teoria-prática sociológica contemporânea, sendo voltada para estudantes com pouco ou nenhum contato anterior com a obra de Durkheim, ou com as ciências sociais.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO
A primeira aula do semestre (27/02) será dedicada a apresentações mútuas entre estudantes, estagiários e professor. Também será debatido o Curso de Graduação em Ciências Sociais do IFCH, e o papel da disciplina nele.

As duas aulas seguintes (13 e 20/03) desenvolverão aspectos dos antecedentes e contextos histórico e teórico de surgimento da sociologia de Durkheim (Abrutyn e Mueller 2014; Alexander e Smith 2005; Aron 2008; Badcock 1976; Benoit 2006; Collins 1994; Durkheim 2010, 2011; Fauconnet 1927; Gane 2006; Giddens 1972, 1981; Goldman 1994; Gross e Jones 2004; Harvey 1998; Hirschhorn e Coenen-Huther 1994; Hobsbawn 1988, 1989; Jones 2004; Lévi-Strauss 1947; Nandan 1980; Ortiz 1989; Tarde 2007; Thompson 1987; Vargas 2000; Vargas et al 2014).

Em seguida, quatro aulas serão dedicadas à apresentação das quatro principais obras de Durkheim: As regras do método sociológico (RMS [1894]), no dia 27/03 (Durkheim 1995; Cormack 1996; Jones 2001); Da divisão do trabalho social (DTS [1893]), no dia e 03/04 (Durkheim 2012; Müller 1994); O suicídio (S [1897]), no dia 10/04 (Durkheim 2004); e As formas elementares da vida religiosa (FEVR [1912]), no dia 24/04 (Durkheim 1996; Allen etal 1998; Bloor 1982; Boudon 1999; Durkheim e Mauss 2001; Glowczewski 2015; Graham 2007; Hausner 2013; Jackson 2016; Lévi-Strauss 2013; Némedi 1995; Ortiz 2012; Weiss 2012, 2013). Cada estudante deverá realizar um fichamento orientado de páginas selecionadas de um desses 4 livros.

As aulas seguintes serão dedicadas a desdobramentos relevantes das ideias de Durkheim (Blomaert 2018; Deleuze 2006; Dill 2007; Douglas 1998; Emirbayer 2003; Fernandes 1961, 1974, 1976; Fisher e Chon 1989; Gane 2002; Jackson e Scott 2002; Janssen e Verheggen 1997; Kenny 2010; Latour 2005, 2014; Pickering 2014; Pinheiro Filho 2004; Sawyer 2002; Schmaus 2004; Turner 1990; Wacquant 1997; Wolff 1960), em especial algumas diferentes microssociologias (Becker 2009; Collins 2004; Durkheim 2004; Garfinkel 1967, 2001, 2002; Heritage 1999; Hilbert 1991; Joas 1999; Morrison 2001; Rawls 2001, 2002, 2004; Robbins 2010) e temas de interesse.

Uma pequena pesquisa deverá ser realizada pelx estudante ao longo do semestre, à luz da sociologia de Durkheim. Essa pesquisa será apresentada para a classe, como trabalho final.

AVALIAÇÃO
A média final de cada estudante resultará de uma ponderação envolvendo:

(1) Presença em sala de aula: Registro de presença em sala de aula. Estudantes com mais de 4 faltas serão reprovados.

(2) Fichamento orientado: Cada estudante deverá entregar 1 fichamento orientado, na data especificada no “CRONOGRAMA” abaixo (05/06). O fichamento é “orientado”, pois pressuponho que x estudante ainda não tem experiência na produção de fichamentos e que, portanto, deverá ser orientadx na sua produção. As orientações para a produção do fichamento podem ser acessadas aqui. Esse fichamento será avaliado como “suficiente” ou “insuficiente”, mas não receberá nota. A não entrega deste fichamento implicará na perda de 1 ponto na média final.

(3) Pesquisa e apresentação final: Cada estudante deverá realizar uma pequena pesquisa explorando algum aspecto da sociologia de Durkheim, e apresentar seu resultado final em uma das seguintes formas (a critério dx estudante): (1) apresentação oral coletiva; (2) apresentação escrita individual. Apresentações orais coletivas serão agendadas para o final do semestre, e serão arguídas pelo professor e pelos estagiários PED C e PAD. A nota atribuída a essas apresentações serão baseadas em dois critérios: apresentação adequada do objeto/tema; estabelecimento de relações consistentes com as ideias e conceitos de Durkheim. Apresentações escritas individuais deverão ser entregues em formato e data a ser definido em conjunto com o professor.

A média final de cada estudante corresponderá à sua nota na apresentação final (3); que poderá, ou não, ser diminuída – pela não entrega do fichamento orientado (2).

EXAME: Caso algumx estudante não obtenha média final suficiente para aprovação (5, cinco), poderá solicitar um exame para tentar melhorar sua nota (é de responsabilidade dx estudante a iniciativa de solicitar esse exame).

SOBRE PLÁGIO: Plágio consiste na cópia de texto escrito por outrem sem indicação clara e citação da fonte original. A realização de plágio (total ou parcial) por parte dx estudante em qualquer trabalho apresentado (fichamento ou apresentação final) resultará na obtenção de nota zero.

SOBRE FALTAS: Seguindo a regulação da DAC, será reprovadx x estudante que exceder o limite máximo de 4 faltas (25% da carga horária). A presença em sala de aula será registrada pelx próprix estudante (com nome e RA) em lista disponibilizada durante cada aula. A não assinatura da lista em qualquer aula resultará no registro de falta. A assinatura por outra pessoa que não x próprix estudante resultará em falta. Cabe ax estudante certificar-se de que assinou a lista de presença em todas as aulas presenciadas (ou seja: não serão abonadas faltas devidas ao “esquecimento” de assinar a lista de presença). Só serão abonadas faltas justificadas diretamente ao professor responsável e com apresentação de documentação comprobatória ou atestado.

CRONOGRAMA
AULA 01 – Dia 27/02: Apresentação do curso e da disciplina. Leituras sugeridas: Diretoria Acadêmica (2018); Durão e Galvão (2015).

AULA 02 – Dia 13/03: Antecedentes e contextos histórico e teórico de surgimento da sociologia de Durkheim 01. Leituras sugeridas: Ortiz (1989); Vargas (2000).

AULA 03 – Dia 20/03: Antecedentes e contextos histórico e teórico de surgimento da sociologia de Durkheim 02. Leituras sugeridas: Aron (2008); Benoit (2006); Gane (2006).

AULA 04 – Dia 27/03: Apresentação e discussão sintética de As regras do método sociológico (RMS). Leitura sugerida: Durkheim (1995:XI-XXXIV, 1-47, 145-51).

AULA 05 – Dia 03/04: Apresentação e discussão sintética de Da divisão do trabalho social (DTS). Leitura sugerida: Durkheim (2012:V-L, 1-9); Rodrigues (1993:63-102).

AULA 06 – Dia 10/04: Apresentação e discussão sintética de O suicídio (S). Leitura sugerida: Durkheim (2004:1-26, 381-513); Rodrigues (1993:108-22).

AULA 07 – Dia 24/04: Apresentação e discussão sintética de As formas elementares da vida religiosa (FEVR). Leitura sugerida: Durkheim (1996:V-XXVII, 3-32, 457-98).

AULA 08 – Dia 15/05: AULA SUSPENSA EM APOIO ÀS MOBILIZAÇÕES CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO.

AULA 09 – Dia 22/05: Revisão geral.

AULA 10 – Dia 29/05: Desdobramentos.

AULA 11 – Dia 05/06: Aula-debate com Ronaldo Almeida, sobre religião, política e internet; e entrega do fichamento orientado.

AULA 12 – Dia 12/06: Aula ministrada por Evandro C. Silva (PED C).

AULA 13 – Dia 19/06: Apresentações finais coletivas.

AULA 14 – Dia 26/06: Apresentações finais coletivas.

AULA 15 – Dia 03/07: Apresentações finais coletivas.

06/07 – Prazo da DAC para o término das aulas do 1º período letivo de 2019.
01/07 a 17/07 – Prazo para entrada de Médias e Frequências do 1º período letivo de 2019.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
DURKHEIM, Émile.

    2012. Da divisão do trabalho social. (Trad. Eduardo Brandão) São Paulo: Martins Fontes [1893].
    1995. As regras do método sociológico. (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes [1894]
    2004. O suicídio. (Trad. Monica Sthael) São Paulo: Martins Fontes [1897]
    1996. As formas elementares da vida religiosa. (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes [1912]

RODRIGUES, José A. (org.).

    2000. Durkheim: Sociologia. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ABRUTYN, Seth; MUELLER, Anna S.

    2014. Reconsidering Durkheim’s assessment of Tarde: formalizing a Tardian theory of imitation, contagion, and suicide suggestion. Sociological Forum 29(3):698-719.

ALEXANDER, Jeffrey C.; SMITH, Philip (eds.).

    2005. The Cambridge Companion to Durkheim. Cambridge: Cambridge University Press.

ALLEN, N.J.; PICKERING, W.S.F.; MILLER, W. Watts (eds.).

    1998. On Durkheim’s Elementary forms of religious life. London: Routledge.

ARON, Raymond.

    2008. Auguste Comte; Émile Durkheim. In: As etapas do pensamento sociológico. (Trad. Sérgio Bath) São Paulo: Martins Fontes, pp.83-183; 457-588.

BADCOCK, C.R.

    1976. Origens em Comte, Durkheim e Mauss. In: Lévi-Strauss: estruturalismo e teoria sociológica. (Trad. Maria Isabel S. Lopes) Rio de Janeiro: Zahar, pp.11-35.

BECKER, Howard S.

    2009. Falando da sociedade. In: Falando da Sociedade: ensaios sobre as diferentes maneiras de representar o social. (Trad. Maria L.X.A. Borges) Rio de Janeiro: Zahar, pp.15-26.

BENOIT, Lelita O.

    2006. Augusto Comte: fundador da física social. São Paulo: Moderna.

BLOMAERT, Jan.

    2018. Durkheim and the Internet: sociolinguistics and the sociological imagination. London: Bloomsbury Academic.

BLOOR, David.

    1982. Durkheim and Mauss revisited: classification and the sociology of knowledge. Stud. Hist. Phil. Sci. 13(4):267-97.

BOUDON, Raymond.

    1999. Les formes élémentaires de la vie religieuse: une théorie toujours vivante. L’Année Sociologique 49(1):149-98.

COLLINS, Randall.

    1994. The Durkheimian tradition. In: Four sociological traditions. New York: Oxford University Press, pp.181-241.
    2004. The program of interaction ritual theory. In: Interaction ritual chains. Princeton: Princeton University Press, pp.3-46.

CORMACK, Patricia.

    1996. The paradox of Durkheim’s manifesto: reconsidering “The rules of the sociological method”. Theory and Society 25(1):85-104.

DELEUZE, Gilles.

    2006. Instintos e instituições. (Trad. Hélio R. Cardoso Júnior) In: A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Iluminuras, pp.29-32. [1955].

DILL, Jeffrey.

    2007. Durkheim and Dewey and the challenge of contemporary moral education. Journal of Moral Education36(2):221-37.

DIRETORIA ACADÊMICA.

DOUGLAS, Mary.

    1998. Como as instituições pensam. (Trad. Carlos E. Marcondes de Moura) São Paulo: EdUSP. [1986]

DURÃO, Susana S.B.; GALVÃO, Andréia.

DURKHEIM, Émile.

    2004. Pragmatismo e Sociologia. (Trad. Aldo Litaiff) Florianópolis/Tubarão: Editora da UFSC/Editora da Unisul. [1914]
    2010. O dualismo da natureza humana e suas condições sociais. (Trad. Joana A.D’Á. Mello). Reprodução.
    2011. Educação e sociologia. (Trad. Stephania Matousek) Petrópolis: Vozes. [1922]

DURKHEIM, Émile; MAUSS, Marcel.

    2001. Algumas formas primitivas de classificação: contribuição para o estudo das representações coletivas. In: Marcel Mauss. Ensaios de Sociologia. (Trads. Luiz F. Gaio; J. Guinsburg) São Paulo: Perspectiva, pp.399-455. [1903]

EMIRBAYER, Mustafa (ed.).

    2003. Emile Durkheim: sociologist of modernity. Oxford: Blackwell.

FAUCONNET, Paul (ed.).

    1927. The Durkheim school in France. The Sociological Review 19(1):15-20.

FERNANDES, Florestan.

    1961. Conceito de Sociologia. In: Fernando H. Cardoso; Octávio Ianni (eds.). Homem e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, pp.27-36.
    1974. O que é a Sociologia? In: Elementos de sociologia teórica. São Paulo: Companhia Editora Nacional, pp.19-32. [1959]
    1976. Aspectos da educação na sociedade Tupinambá. In: Egon Shaden (ed.). Leituras de etnologia brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, pp.63-86. [1964]

FISHER, Gene A.; CHON, Kyum K.

    1989. Durkheim and the social construction of emotions. Social Psychology Quarterly 52(1):1-9.

GANE, Mike.

    2002. The radical sociology of Durkheim and Mauss. London: Routledge.
    2006. Auguste Comte. London: Routledge.

GARFINKEL, Harold.

    1967. Studies in ethnomethodology. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.
    2001. Postface: L’ethnomethodologie et le legs oublié de Durkheim. In: Michel de Fornel; Albert Ogien; Louis Quéré (dirs.). L’ethnomethodologie: une sociologie radicale. Paris: Éditions La Découverte, pp.439-44.
    2002. Author’s introduction. In: Ethnomethodology’s program: working out Durkheim’s aphorism. Rowman & Littlefield: Lanham, pp.65-76.

GIDDENS, Anthony.

    1972. Emile Durkheim: selected writings. Cambridge: Cambridge University Press.
    1981. As idéias de Durkheim. São Paulo: Cultrix. [1978]

GLOWCZEWSKI, Barbara.

    2015. O paradigma dos aborígenes australianos. In: Devires totêmicos: cosmopolítica do sonho. (Trad. Jamille P. Dias) São Paulo: n-1 Edições, pp.135-60. [2007]

GOLDMAN, Marcio.

    1994. Razão e diferença: afetividade, racionalidade e relativismo no pensamento de Lévy-Bruhl. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/GRYPHO.

GRAHAM, E. Tyler.

    2007. The danger of Durkheim: ambiguity in the theory of social effervescence. Religion 37:26-38.

GROSS, Neil; JONES; Robert A. (eds.).

    2004. Durkheim’s philosophy lectures: notes from the Lycée de Sens Course, 1883-4. Cambridge: Cambridge University Press.

HARVEY, David.

    1998. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. (Trad. Adail U. Sobral; Maria S. Gonçalves) São Paulo: Loyola. [1989]

HAUSNER, Sondra L. (ed.).

    2013. Durkheim in dialogue: a centenary celebration of The elementary forms of religious life. New York: Berghahn.

HERITAGE, John C.

    1999. Etnometodologia. In: Anthony Giddens; Jonathan Turner. (eds.). Teoria social hoje. (Trad. Gilson C. Cardoso de Sousa) São Paulo: Editora UNESP, pp.321-92.

HILBERT, Richard A.

    1991. Ethnomethodological recovery of Durkheim. Sociological Perspectives 34(3):337-57.

HIRSCHHORN, Monique; COENEN-HUTHER, Jacques. (dirs.)

    1994. Durkheim et Weber: vers la fin des malentendus? Paris: Éditions L’Harmattan.

HOBSBAWN, Eric J.

    1988. A era do capital: 1848-1875. (Trad. Luciano Costa Neto) Rio de Janeiro: Paz e Terra.
    1989. A era das revoluções: 1789-1848. (Trad. Maria T.L. Teixeira; Marcos Penchel) Rio de Janeiro: Paz e Terra.

JACKSON, Michael.

    2016. The work of art: rethinking The elementary forms of religious life. New York: Columbia University Press.

JACKSON, Stevi; SCOTT, Sue.

    2002. Introduction: the gendering of sociology. In: Stevi Jackson; Sue Scott. (eds.). Gender: a sociological reader. London: Routledge, pp.1-26.

JANSSEN, Jacques; VERHEGGEN, Theo.

    1997. The double center of gravity in Durkheim’s symbol theory: bringing the symbolism of the body back in. Sociological Theory 15(3):294-306.

JOAS, Hans.

    1984. Durkheim et le pragmatisme: la psychologie de la conscience et la constitution sociale des catégories. Revue Française de Sociologie 25(4):560-81.
    1999. Interacionismo simbólico. In: Anthony Giddens; Jonathan Turner. (eds.). Teoria social hoje. (Trad. Gilson C. Cardoso de Sousa) São Paulo: Editora UNESP, pp.127-74.

JONES, Robert A.

    2004. The development of Durkheim’s social realism. Cambridge: Cambridge University Press.

JONES, Susan S.

    2001. What does Durkheim mean by “thing”? In: W.S.F Pickering; The British Centre for Durheimian Studies (eds.). Émile Durkheim: critical assessments of leading sociologists. London: Routledge, pp.300-12.

KENNY, Robert W.

    2010. Beyond the elementary forms of moral life: reflexivity and rationality in Durkheim’s moral theory. Sociologial Theory 28(2):215-44.

LATOUR, Bruno.

    2005. Introduction: how to resume the task of tracing associations? In: Reassembling the social: an introduction to actor-network theory. Oxford: Oxford University Press, pp.1-17.
    2014. Formes élémentaires de la sociologie; formes avancées de la théologie. Archives de Sciences Sociales des Religions 167:255-75.

LÉVI-STRAUSS, Claude.

    1947. La sociologie française. In: Georges Gurvitch; Wilbert E. Moore (dirs.). La sociologie ao XXe siècle II – Les études sociologiques dans les différents pays. Paris: PUF, pp.513-45.
    2013. O que a etnologia deve a Durkheim. In: Antropologia estrutural dois. (Trad. Beatriz Perrone-Moisés) São Paulo: Cosac Naify, pp.57-61.

LUKES, Steven M.

    2015. Durkheim, Emile (1858-1917). In: James Wright (ed.). International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences. Amsterdam: Elsevier, pp.700-5.

MORRISON, Ken.

    2001. The disavowal of the social in the American reception of Durkheim. Journal of Classical Sociology 1(1):95-125.

MÜLLER, Hans-Peter.

    1994. Social differentiation and organic solidarity: The division of labor revisited. Sociological Forum 9(1):73-86.

NANDAN, Yash.

    1980. Editor’s Introduction. In: Emile Durkheim: contributions to L’Année Sociologique. New York: The Free Press, pp.1-44.

NÉMEDI, Dénes.

    1995. Collective consciousness, morphology, and collective representations: Durkheim’s sociology of knowledge, 1894-1900. Sociological Perspectives 38(1):41-56.

ORTIZ, Renato.

PICKERING, W.S.F. (ed.).

    2014. Durkheim and representations. London: Routledge.

PINHEIRO FILHO, Fernando.

    2004. A noção de representação em Durkheim. Lua Nova 61:139-55.

RAWLS, Anne W.

    2001. Durkheim’s treatment of practice: concrete practice vs representations as the foundation of reason. Journal of Classical Sociology 1(1):33-68.
    2002. Editor’s introduction. In: Harold Garfinkel. Ethnomethodology’s program: working out Durkheim’s aphorism. Rowman & Littlefield: Lanham, pp.1-64.
    2004. Epistemology and practice: Durkheim’s The elementary forms of religious life. Cambridge: Cambridge University Press.

ROBBINS, Joel.

    2010. If there is no such thing as society, is ritual still special? On using The elementary forms after Tarde. In: Matei Candea (Ed.). The social after Gabriel Tarde: debates and assessments. London: Routledge, pp.93-101.

SAWYER, R Keith.

    2002. Durkheim’s dilemma: toward a sociology of emergence. Sociological Theory 20(2):227-47.

SCHMAUS, Warren.

    2004. Rethinking Durkheim and his tradition. New York: Cambridge University Press.

TARDE, Gabriel.

    2007. Monadologia e Sociologia. In: Monadologia e Sociologia e outros ensaios. (trad. Paulo Neves) São Paulo: Cosac & Naify, pp.51-131. [1895]

THOMPSON, Ken.

    2002. Emile Durkheim. London: Routledge

TURNER, Jonathan H.

    1990. Emile Durkheim’s theory of social organization. Social Forces 68(4):1089-03.

VARGAS, Eduardo V.

    2000. A emergência das Ciências Sociais na França. In: Antes Tarde do que Nunca: Gabriel Tarde e a emergência das Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Contra Capa, pp.37-161.

VARGAS, Eduardo V.; LATOUR, Bruno; KARSENTI, Bruno; AÏT-TOUATI, Frédérique; SALMON, Louise.

WACQUANT, Loïc J.D.

    1997. Durkheim e Bourdieu: a base comum e suas fissuras. Novos Estudos CEBRAP 48:29-38.

WEISS, Raquel A.

    2012. Durkheim e As formas elementares da vida religiosa. Debates do NER 22:95-119.
    2012. From ideas to ideals: effervescence as the key to understanding morality. Durkheimian Studies 18:81-97.
    2013. Efervescência, dinamogenia e a ontogênese social do sagrado. Mana 19(1):157-79.

WOLFF, Kurt H. (ed.).

    1960. Emile Durkheim, 1858-1917: a collection of essays, with translations and a bibliography Columbus: The Ohio State University Press.

MATERIAL COMPLEMENTAR